Reticências

marcam uma suspensão da frase, muitas vezes a elementos de natureza emocional. Indica um pensamento ou ideia que ficou por terminar e que transmite a omissão de algo que podia ser escrito, mas que não é. (...)

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Conversa de amigas



- Eu acho que...deixa de ser besta amiga, se joga na vida, antes que ela te jogue fora.

- É vivendo e aprendendo.
- É isso ai, e lembre-se: nada de apego. Nós praticamos o desapego, se eles quiserem se apegar, tudo bem, mas a gente não pode! Porque odeio ver mulher sofrendo por homem, odeio.
- Como a gente não se apega? aliás, como EU não me apego?
- Primeiramente... procure sempre ler os textos, livros e poemas que te ensinam que nada é para sempre, que você está sujeita a levar uma rasteira de qualquer um, pricipalmente da pessoa que mais te jura amor eterno... esses te dão uma rasteira feia depois de um certo tempo, mas isso é pura teoria, vamos para a prática! Tente botar na sua cabeça e no seu coração que homem nenhum nesse mundo, por mais santo ou safado que seja não merece uma lágrima sua, principalmente sua... que é uma pessoa independente e inteligente, que sabe muito bem se virar sozinha e é rodeada de bons amigos...
- (estou lendo, aprendendo e absorvendo)
- E outra coisa... homem tem em toda esquina, a gente perde um e encontra dez!
- Belas e fortes palavras, eu estava precisando, obrigada! Às vezes eu preciso disso, às vezes eu preciso que alguém abra meus olhos.
- Eu adoro abrir as olhos das pessoas pra isso, porque eu vivi isso. Desde pequena aprendi a enxergar a vida dessa maneira e gosto de abrir os olhos das pessoas. Gosto mesmo. E tenho certeza que um dia tu vai ta assim que nem eu, abrindo os olhos dos outros.

sábado, 28 de agosto de 2010

Palavras apenas, nem que sejam pequenas


São de palavras que eu preciso.
Palavras pra dizer, escarrar o que eu sinto.
Palavras pra ouvir, talvez vindo de você.
Coragem me possua, palavras saiam nuas, puras e cruas.

Assim será



O lado ruim de não estar amando ninguém,
é que cedo ou tarde vai se apaixonar logo,
logo por alguém.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Carta consoladora

Revirando as nossas gavetas se encontra muito entulho: papel amassado, clipes, botões, provas do ensino médio, revistas sobre o cantor que você era fã, canetas sem tinta, maquiagem quebrada, cd sem capa. Em meio a tanta coisa sem utilidade, agora tem alguma coisa que te chama atenção? No meio do meu entulho tinha. Uma carta perdida. E eu que andava atrás dela, encontrei. Eu li cada palavra. E chorei. Chorei por causa dos meus problemas e chorei pelas lembranças que me voltaram na mente. Era uma carta de uma amiga. Sim! uma amiga. Daquelas que se pode contar e que você faz qualquer coisa por ela. Meus olhos choravam desgraças e aquela carta apareceu pra amenizar. Esqueci por um momento de tudo e me concentrei nas palavras dela. Imaginei ali, ela agradecendo por todos os melhores momentos que pude proporcionar e participar, pelos consolos, choros, confissões, histórias e colo, que segundo ela , é o melhor depois do da mãe, que o meu colo era o que melhor afaga. Agradeceu as minhas palavras de força, que apesar de poucas foram suficientes. Reler isso me fez entender porque eu coloco minha mão no fogo por você.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

ei, você


É tudo meio engraçado. O mundo dá sim aquelas suas voltas, e que voltas. É tudo meio estranho agora, parando pra pensar. Lembrar do que aconteceu e não mais ligar. Aconteceu, aproveitamos, eu sofri, você não ligou. O que uma boa dose não faz, não é? Às vezes um bom porre é o melhor que pode acontecer, serão os momentos mais prazerosos. No outro dia, só esquecimento. Esquece-se até que houve felicidade de novo por um curto tempo. Memórias fracas. Esqueceram-se que se esqueceram. Fica um vazio, um vazio imenso. Gosto dessa palavra: imenso. Era tudo assim o que eu sentia por você. Não tô me enganando, nem me iludindo, nem me machucando. Sei lá, só me deu uma vontade de falar aqui com você que tá lendo. Não quero passar a impressão de estar sentindo aquela dorzinha bem na ponta do cotovelo, não estou. Nem sinto aquela dor naquela artéria, nem no ventrículo. Nem tô sentindo aquela saudade enorme. Você no final das contas me fez um bem. Tá tudo pulsando normal, como se nada tivesse acontecido, como se nenhuma dor tivesse sentido.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

El todo


A inspiração se foi,
Um dia quem sabe...ela volta.
E as páginas em branco deixem de ficar.
Quem sabe eu escreva belas histórias,
algumas com rimas, letras sem melodias, algumas poucas anedotas.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Dose




- Me dá uma dose de 'esquecimento', acompanhado com duas de 'desapego'.
- Não tenho. Não uso. Toma de 'tempo', é o de melhor gosto.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Tic-tac


"Todos nós temos o nosso próprio tempo...

...Próprio tempo pra amar, próprio tempo pra perdoar, próprio tempo pra sofrer, próprio tempo pra esquecer, próprio tempo pra esperar...''

pequenas palavras

" Eu quero fazer uma música pra cantar e espantar os meus tormentos. "

pequenas palavras


"Tem vez que o tempo anda, tem vez que o tempo corre e tem vez que o tempo pára pra brincar..."

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O mundo é um moinho

Quando se é pequeno no tamanho e na experiência, os obstáculos parecem ser bem maiores, imensos, intensos, infinito. Nós nascemos sem pedir, sem saber. Crescemos nesse mundo sem ter a certeza do que virá. Nos alimentamos pra sobreviver. Amamos pra sofrer. Opções aparecem, oportunidades surgem. Escolhas são feitas, conseqüências são aceitas. Perguntas atormentam, respostas pacificam. E as certezas? E as certezas? Ninguém tem certeza de nada.

Quando crianças, a profissão dos nossos sonhos são sempre as mesmas: médicos veterinários, astronautas ou bailarinas. Mas depois você tem que decidir o que vai ser pelo resto da sua vida. Sua opinião nem sempre vai ser a mesma. Futuramente, quem sabe você vai estar em dúvida entre Serviço Social, Jornalismo e Engenharia Agronômica. E as certezas? E as certezas? Eu não tenho certeza de nada.

Tenho alguns poucos anos na bagagem e vivo de amor profundo. Pobre coração vagabundo. Que bate, bate por bater e não sabe o por quê. Não adianta de nada aqueles textos ensaiados e ações pré-simuladas, diante de você tudo é omitido. E as certezas? E as certezas? Nunca tive certezas sobre você.