Reticências

marcam uma suspensão da frase, muitas vezes a elementos de natureza emocional. Indica um pensamento ou ideia que ficou por terminar e que transmite a omissão de algo que podia ser escrito, mas que não é. (...)

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Era teu

Mas o que eu tinha
...era teu...
E somente teu;
Como era grande, imenso
...era lindo...
E seria perfeito
Se assim o quisesse,
Se o aceitasse
...meu amor...

Desejo


Diz pra mim o que eu quero ouvir

Eu sinto tua respiração
Diz pra mim o que eu quero ouvir
Eu sinto teu beijo
Diz pra mim o que eu quero ouvir
O tempo tá se esgotando
Eu sinto...
Eu sinto...
que não vou ouvir o que eu tanto desejo.

Copo vazio, copo cheio



Entro na taberna
Em direção a mesa
Puxo a cadeira
E chamo a taberneira:
-Traz o vinho!
Começo a beber
Na tentativa de esquecer
Aquele alguém que não quer ver
Por ele eu trago amor no coração
Passo a delirar
Olha lá ele a me olhar
Chego perto...quero beijá-lo
Não posso, ele não está ali
É só uma miragem
Encho o copo
Que vazio já está
Pra continuar a delirar.


* Jéssica de Oliveira e Ilrianny Alves

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Dor


Não me pergunte o motivo do meu choro, pois nem eu mesma sei. Me deixe aqui. Me deixe colocar tudo pra fora mesmo que pra você não faça sentido algum. Me desculpe se pareço gostar de sofrer a toa, mas pra sentir dor basta ter aquela ferida ainda. Aquela pequena ferida, que por sinal já é uma cicatriz. Sim! Cicatrizou, mas existe, não existe? Mesmo em meio a tantas cores, balões e sorrisos regados a felicidade servida em taças bonitas, minha dor insiste. Persiste. E eu só sinto.




'
Todo mundo é capaz de dominar uma dor, exceto quem a sente.
-
William Shakespeare

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Incompleto

Não te sinto, sinto falta. Não te vejo e nem te percebo. Onde se escondeu aquilo que nos unia? Onde está o sentimento bonito? Sempre que me vem a inspiração, eu escrevo. As linhas que eu escrevo descrevem minha vida torta, minha agonia. São as cartas que eu deixo de mandar, faço questão de não lembrar. Esse sentimento sem nome ainda persiste.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Me deixa aqui


Eu estava tão bem
Porque foi aparecer?
Protegida no meu canto
Quieto e sóbrio
Até que você me achou
E da minha proteção tirou
Mas não me ofereceu nada em troca
E eu te quis tão bem.
* Jéssica de Oliveira e Ilrianny Alves

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Estrada

Sempre tem que ter aquela velha caminhada em uma estrada longa pra dá tempo pra pensar e colocar os pensamentos no lugar. E quando eu voltar pro meu lugar de partida ainda vai ser sol.

Olha lá

Daqui de onde estou sentada, vejo a lua ao longe. Perto dela tem uma luz vermelha de alguma torre de algum lugar. Céu negro. Sem mais nenhuma luz.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Flutua

Eu não tenho mais medo da escuridão, já faz um bom tempo. Encontrei na escuridão um bom amparo. No escuro ninguém consegue me observar, me tocar, me julgar, me ferir.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Suicídio

Se foi a mim que foi dado o sopro da vida, deixe-a comigo então. Deixe-me com o resto do pouco que restou. Deixe-a comigo. Deixe-me viver. Deixe-me correr. Deixe-me sofrer as conseqüências.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Passagem

Porque tu vens aqui dizendo essas coisas que me deixam com esperanças de viver uma coisa irreal?