Reticências

marcam uma suspensão da frase, muitas vezes a elementos de natureza emocional. Indica um pensamento ou ideia que ficou por terminar e que transmite a omissão de algo que podia ser escrito, mas que não é. (...)

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Teresina, 15 a 23 de janeiro de 2011



Morty,

Deixa eu te contar uma história. Há muito tempo atrás, em um colégio existiam duas meninas-amigas que deixaram de se falar por um ano. Elas eram melhores amigas. Um longo ano. De observações de longe. De cochichos de perto. De atitudes infantis, de certo, elas eram realmente apenas crianças. Elas voltaram a se falar por conta de uma borracha que caiu. Uma apanhou e a outra agradeceu. Depois desse gesto, as coisas voltaram a ser como sempre foram, não do dia pro outro, mas o tempo ruim foi simplesmente sendo esquecido. E hoje elas são amigas, mesmo com a distância das suas vidas. São amigas presentes mesmo com  a ausência. Elas ainda são amigas. E vai ser assim até o fim da vida.
Já perdi peso por muita coisa, mas por causa de uma briga com um amigo, foi a primeira vez. Tu vê o prejuízo que me causou? Aquelas gramas, quase quilos que eu ganhei com tanto esforço, eu perdi em um estalar de dedos. Foi a semana mais vazia que já tive. Só em pensar que não podia te procurar, te chamar, contar contigo. Que eu não podia saber onde eu errei. Meu chão caiu, meus pés tocaram o nada. Se era assim que queria, assim seria. 
Nesses dias tristes, eu li uma novela de Caio Fernando Abreu, onde ele recitava Ferreira Gullar:
"Amigos morrem,
as ruas morrem,
as casas morrem, 
os homens se amparam em retratos.
Ou no coração dos outros homens."
Foram versos com os quais eu me identifiquei. Perdoe-me repetir, mas um amigo meu se matou naquela hora e não eu, quem o assassinou? E em qual coração eu ia me amparar, senão o seu?
E esse orgulho besta que o ser humano insiste em carregar? E essa mania de querer provar que não está errado? Ei, eu errei. Errei por ter feito tempestade em copo d'água. Errei por não ter pedido perdão e por não ter perdoado.
Mas não vou mais ao fundo dessa história que a gente que passou por ela sabe muito bem e que eu quero enterrar, que eu quero por um fim. Por favor, não na nossa. Mas nessa outra que nem deveria ter começado.
Eu nunca senti tanta culpa e saudade junta. Uma semana já foi difícil demais pra mim, não suportaria imaginar um ano. Volta a cuidar de mim, como você sempre fez?


Me deixa te abraçar, 

Jéssica.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Personagem





'E mesmo, eu, sendo uma personagem importante da minha história, tem coisa de mim que eu ainda nem sei.'



Tempos perdidos



'Temos o nosso próprio tempo. Eu tenho o meu tempo. Você tem o seu tempo. E nem sempre os nossos tempos tem tempo pra eles...'

O que é bonito pra mim, pode ser feio pra você



'Não se fazem arranjos com a flor que eu mais acho bonita...Na verdade elas se arranjam no chão. Extensos tapetes de uma só cor.'


sábado, 22 de janeiro de 2011

Interior



'Quando a gente tem alguma coisa ruim dentro da gente, a gente arranca ela de dentro para ver se tudo melhora. Quando a gente tem alguma coisa boa dentro da gente, a gente esconde pra que não arranque de nós...'

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Teresina, 18 de janeiro de 2011


 Zéhenrique,

Pequenas palavras aqui gravadas sobre você e pra você. Me intimou. E forçadamente, mas no meu direito, aqui estou. Escrevendo sobre o que não pode ser escrito. Espero que essas palavras você não apague como tantas outras que de mim partiram. Mas como, às vezes, não governo a mim: teimo e escrevo.
Te conheci em dia de festa, como quase sempre é. E no meio das festas, a gente já chorou. E tempos depois eu rio das minhas desgraças, você rir das suas e então a gente ria das nossas tristezas juntos.
Como você mudou. Pra melhor. Mas como continua chato. Continue sendo essa pessoa chata - chata - chata que eu tanto gosto.
Te admiro muito. Por diversos motivos, fatos e histórias. Pelo que acontece contigo, dentro de ti ou dentro da tua casa. Você é o oposto de muitos homens. Você cuida. Que você faça feliz as pessoas que eu tanto gosto.
Você foi a única pessoa que chegou pra mim e disse pra aproveitar a minha vida quando ela estava mais escorregadia das minhas mãos. Você foi simples e direto, ao mesmo tempo foram palavras de peso. E desde então eu tento seguir o que de mais valor você já passou pra mim.


Um beijo, meu amigo de guerra,

Jéssica.

Tem gente...



'Tem gente que traz a complicação amarrada nas costas.'


terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Eu preciso...



'Eu preciso de carinho. E não de cuidado. Me cuidar eu sei muito bem.'



segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Uma necessidade...



'Uma necessidade de escrever. Escrever o que eu não tenho coragem suficiente pra falar.'


domingo, 9 de janeiro de 2011

Me tira...



'Me tira do meio dessa guerra. Me traga paz e fé. Me traga a mim.'


sábado, 8 de janeiro de 2011

Quem erra...



'Quem erra 2 vezes, vai continuar errando. Errar é viciante...'


sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Segredo é...



 
'Segredo é uma verdade ou uma mentira que pede pra ser guardada.'



quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Falemos de...



'Falemos de tudo, menos de sentimento. Ah, mas sentimento é tudo...'


quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Todo dia...



'Todo dia eu sento na mesma cadeira pra ver todo dia um pôr-do-sol diferente.'


terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Como são...




'Como são barulhentos os ponteiros do relógio marcando o tempo.'

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Eu não quero...



Eu não quero seus sinais de vida. 

Quero sentir uma saudade bonita e com sentimentos recíprocos, só isso. 

Quero lembrar menos de você.

domingo, 2 de janeiro de 2011

Eu fico...




Eu fico acumulando meu sono e meu cansaço, pra usar quando necessário. Dormir, fechar os olhos e entrar nos sonhos. Deixar a realidade pra lá.



sábado, 1 de janeiro de 2011

Longe dos olhos...



'Longe dos olhos, longe do coração, longe de qualquer sentimento, só não da saudade.'