Reticências

marcam uma suspensão da frase, muitas vezes a elementos de natureza emocional. Indica um pensamento ou ideia que ficou por terminar e que transmite a omissão de algo que podia ser escrito, mas que não é. (...)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011



Saudade dos livros que não tive tempo de ler, das músicas que não tive mais tempo de escutar, dos passeios nas praças no final das noites. Saudade da concentração que tinha, do foco que não perdia, da alegria. Saudade do tempo que eu me achava muito, nunca me perdia. Saudade de escrever coisas com sentido, sem precisar sentir nada. Saudade da infância que não lembro. Saudade de uma semana atrás onde eu estava em um lugar, protegida. Saudade das caminhadas leves, sem pressa de chegar. Saudade de quatro dias atrás, onde não havia remorso. Saudade de chegar e permanecer. Saudade do tempo que era bem mais fácil viver. Saudade do tempo que tudo era sólido, mesmo ilusório. Saudade dos que não conheci e do que eles não me acrescentaram. Saudade de quem eu não beijei. Saudade de quem não me apaixonei. Saudade de cada tapa na cara que eu não levei. Saudade de ontem. Saudade da queda que tive. Saudade do chão que pisei. Saudade do mar, lá longe, onde banhei. Saudade de não sei quem. Saudade de sei lá o que. Saudade de sorrir por bobagens. Saudade de não ter problemas de gente grande. Saudade de ontem, saudade de ontem.




Nenhum comentário:

Postar um comentário